.:: Mascaro Nascimento Advogados ::.
Notícias

Conteúdo Jurídico

Conteúdo Jurídico
Atuação
Boletins
Conteúdo Jurídico
Endereços
Artigos
Reflexões sobre a Reforma Trabalhista (37): Execução de ofício
A redação original do artigo 878 da CLT previa a possibilidade de o juiz ou presidente do Tribunal dar prosseguimento à execução independentemente de provocação do interessado. Tratava-se da execução de ofício.
 
A Lei 13.467/2017 (Reforma Trabalhista) alterou a redação desse dispositivo, de modo que, a partir da nova lei, a execução de ofício pelo juiz ou presidente do Tribunal só é permitida nos casos em que as partes não estiverem representadas por advogados.
 
Entende-se que a exigência de a parte não estar acompanhada de advogado não se refere a ambas as partes do processo, mas apenas àquela que pode se beneficiar da execução de ofício, ou seja, a parte exequente.
 
Por fim, discute-se, ainda, se a provocação do exequente com advogado apenas seria necessária para dar início ao procedimento executivo e a partir daí o juiz teria liberdade para promover os demais atos de ofício ou se a provocação seria indispensável para cada ato executório.
 
Parece-nos que a intenção do legislador foi pela segunda alternativa, contudo, a jurisprudência ainda não firmou entendimento sólido em nenhum dos dois sentidos.
São Paulo: Tel: +55 11 2175-9000 - Fax: +55 11 3256-7401
© Mascaro Nascimento Advogados 2010 Todos os direitos reservados
Twitter Facebook LikedIn
Desenvolvido por: Original Design