Noticias - 15/07/2021

A fiscalização de furtos no trabalho – artigo de Marcelo Mascaro Nascimento no jornal Valor Econômico

A fiscalização de furtos no trabalho – artigo de Marcelo Mascaro Nascimento no jornal Valor Econômico

A 3ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) proferiu, recentemente, interessante decisão reconhecendo a licitude da revista pessoal mediante uso de detector de metais, de forma generalizada, em todos os empregados.
 
A revista pessoal dos trabalhadores no ambiente laboral para proteger o patrimônio do empregador é um tema bastante polêmico no direito do trabalho.
 
De um lado, está o direito à privacidade e à intimidade dos trabalhadores, que devem ser respeitados dentro e fora do ambiente de trabalho; de outro, está o poder empregatício do qual decorre a liberdade de organizar e a prerrogativa de fiscalizar a integridade do patrimônio da empresa.
Como conciliar imperativos que, se não são necessariamente contraditórios, muitas vezes entram em choque nas situações concretas vividas pelas empresas?
 
De modo geral, a jurisprudência trabalhista, com sua tradicional tendência de proteção do empregado, que, a princípio, é considerado um hipossuficiente, privilegia limites muito claros aos meios de controle e de fiscalização dos furtos no ambiente de trabalho. Sobretudo, quando se trata de revista pessoal dos empregados.
 
Com efeito, as revistas pessoais só são admitidas se não forem discriminatórias, vexatórias e ofensivas à dignidade dos empregados. Isso significa, em primeiro lugar, que não podem ser feitas de maneira desigual, sem que haja justificativa plausível para a diferenciação entre os empregados. Devem, portanto, ser direcionadas indistintamente a todos.
 
A segunda preocupação é a de que as revistas precisam ser proporcionais e pautadas pela razoabilidade. Ou seja, devem utilizar os meios adequados para atingir a finalidade almejada que é a preservação do patrimônio da empresa, sem que excessos sejam cometidos. Ademais, é preciso que se considere o tipo de função desempenhada para a natureza do controle que se vai instaurar, bem como devem ser observados os materiais que podem ser furtados.
 
Esse tipo de análise é marcado por elevado grau de subjetividade. Porém, nas situações concretas, é possível examinar se os meios utilizados são os mais compatíveis com as necessidades do empregador e respeitam o direito dos empregados, à luz do estado de avanço tecnológico desses instrumentos.
 
O caso analisado pelo TST é emblemático, pois se trata justamente da aplicação de tecnologia como um meio de fiscalização. O detector de metais foi instalado no acesso ao ambiente de trabalho, mas sem discriminar empregados. Constatou-se, ainda, que se o aparelho soasse, não havia exposição do empregado, pois ele era levado a uma sala para a verificação.
 
Outro elemento que ajudou a afastar a pretensão do empregado de ser indenizado por danos morais é que as revistas não foram pessoais ou íntimas, tampouco havia contato físico. O relator ministro Alexandre Agra Belmonte entendeu que o procedimento visava preservar “a incolumidade do patrimônio do empregador e do meio ambiente do trabalho”, ainda porque adotado “nos mais variados ambientes, desde bancos, aeroportos e repartições públicas e até nos grandes eventos musicais e partidas de futebol” (RR-3471200-20.2007.5.09.0651).
 
Assim, essa decisão ilustra bem os limites e também as possibilidades do controle que o poder potestativo do empregador lhe confere na proteção de seu patrimônio. A diretriz restritiva demais que vinha prevalecendo na jurisprudência merece uma cautelosa reavaliação diante do desenvolvimento tecnológico e do equilíbrio da relação entre capital e trabalho.
 
Não é razoável deixar os empregadores desamparados e sem instrumentos para fiscalizar os ilícitos cometidos por seus empregados no ambiente de trabalho como vinha acontecendo. Não há razão, nem previsão legal, para presumir que toda e qualquer revista seja vexatória.
 
Nesse novo contexto, portanto, é preciso modular a relação entre os direitos fundamentais do empregado e os poderes econômicos do empregador. Dessa maneira, conciliar esses importantes imperativos, os quais, sem dúvida, merecem a guarida do ordenamento jurídico.
 
Marcelo C. Mascaro Nascimento é sócio majoritário do escritório Mascaro Nascimento Advocacia Trabalhista
 
Este artigo reflete as opiniões do autor, e não do jornal Valor Econômico. O jornal não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizado pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso dessas informações
 
 
 

Compartilhe

Dr. Marcelo Mascaro

Advogado do Trabalho, CTO

Blog Mascaro

As tendências, oportunidades e novidades das áreas dos direitos do trabalho e cível, de gestão de pessoas e de cálculos trabalhistas e previdenciários

Noticias

Trabalhador trans tem direito a usar qual banheiro na empresa?

Advogado trabalhista explica o que a lei atual defende sobre a disponibilidade de sanitários de ac...

Ler mais
Noticias

Como combater o assédio moral no ambiente de trabalho?

Em artigo, o advogado trabalhista Marcelo Mascaro explica como atender a lei e manter um ambiente de trabalho seguro e sau...

Ler mais
Noticias

Igualdade salarial entre homens e mulheres: a empresa precisa comprovar? Como?

Advogado trabalhista explica como as companhias devem se posicionar para cumprir a lei e as possíveis penalidades, caso a ...

Ler mais
Noticias

A empresa pode fazer perguntas sobre signo e mapa astral em entrevista de emprego?

O advogado trabalhista Marcelo Mascaro explica se uma empresa pode ou não checar o signo durante o processo se...

Ler mais

Direto ao Ponto

por Dr. Marcelo Mascaro

Advogado com experiência e conhecimento, atuando na área há mais de 25 anos, Marcelo Costa Mascaro Nascimento mantém viva a tradição e a referência do nome Mascaro Nascimento.

- 21/09/23

O Trabalhador por aplicativo tem direitos?

Direto ao ponto - Marcelo Mascaro

Ler mais
- 16/08/23

Acordo coletivo prevalece sobre convenção coletiva?

Marcelo Mascaro Convenções e acordo coletivos têm como finalidade com...

Ler mais
- 25/05/23

A equiparação salarial entre empregados de diferentes empresas de grupo econômico

A equiparação salarial é uma decorrência lógica dos princípios da igualdade e da não discriminação. Ela está prevista no a...

Ler mais
Banheiro de local de trabalho
Mascaro na Exame - 29/07/22

A empresa pode restringir a ida ao banheiro de seus empregados?

Ler mais