Noticias - 15/07/2021

A nova lei das cooperativas de trabalho: uma regulamentação necessária – artigo de Marcelo Mascaro Nascimento no EASYCOOP

A nova lei das cooperativas de trabalho: uma regulamentação necessária – artigo de Marcelo Mascaro Nascimento no EASYCOOP

Finalmente, foi promulgada uma legislação específica para um tema que vinha causando muita polêmica e insegurança jurídica. A lei n. 12.690, de 19 de julho de 2012, dispõe sobre a organização e o funcionamento das cooperativas de trabalho, questão recorrente na Justiça do Trabalho.

 
Concebida originariamente como forma de organização social do trabalho, a cooperativa enquanto modalidade de contratação de serviços se popularizou nos anos 90, tendo sido utilizada massivamente por diversos setores econômicos, como tecnologia da informação (TI), área de saúde (médicos e enfermeiros), dentre outros. Abusos foram cometidos em virtude dessa forma de contratação possuir um regime fiscal e tributário menos oneroso para as empresa.


No entanto, a Justiça do Trabalho e a fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego e do Ministério Público do Trabalho deflagraram um combate rigoroso contra essa forma de contratação na última década. Hoje, é possível afirmar que a cooperativa de trabalho é encarada por esses órgãos públicos, a priori, como fraude do ponto de vista do direito do trabalho.


A legislação anterior era insuficiente e bastante antiga, pois tinha sido editada em 1971 (Lei n. 5.764) e se dedicava apenas ao cooperativismo de maneira genérica. Não dispunha especificamente sobre as cooperativas de trabalho.


A nova lei reafirma a ideia de que a cooperativa tem de ser autônoma e deve gerar proveito comum para os cooperados, dois dos princípios basilares dessa forma de organização do trabalho. Também estabelece princípios interessantes no seu art. 3º, como a adesão voluntária e livre, a gestão democrática, autonomia e independência, intercooperação, interesse pela comunidade, não precarização do trabalho etc. Nos artigos 17 e 18, há também um endurecimento da fiscalização e das penalidades para evitar fraudes ao direito do trabalho.

Assim, a partir da entrada de vigor dessa lei, é possível afirmar que o Brasil possui mais uma categoria de organização do trabalho devidamente regulamentada. A insegurança jurídica e a falta de informação em torno do cooperativismo trabalhista, que antes predominava e levava muitos empregadores a utilizar essa forma de contratação sem saber o risco em que estava incorrendo, deverão ficar no passado. A nova lei é clara em proibir a utilização das cooperativas de trabalho para intermediação da mão de obra subordinada, que continuará se regendo pelas regras celetistas.
 
Por se tratar de novas regras, espera-se que a fiscalização dos órgãos públicos tenha a sensibilidade de esclarecer os empregadores nas visitas, dando a oportunidade de correção das falhas eventualmente encontradas.

Fonte: http://easycoop.com.br/cooperativismo/artigos/artigo.asp?id=423


 

Compartilhe

Dr. Marcelo Mascaro

Advogado do Trabalho, CTO

Blog Mascaro

As tendências, oportunidades e novidades das áreas dos direitos do trabalho e cível, de gestão de pessoas e de cálculos trabalhistas e previdenciários

Pessoas de terno fazendo cumprimento com o cotovelo
Noticias

Empregados podem negar o retorno ao trabalho presencial?

Os funcionários que estavam em

Ler mais
Pessoa segurando uma taça de vinho, representando a profissão de sommelier
Legislação

Novas profissões: MTP reconhece 22 atividades na Classificação Brasileira de Ocupações

No início de 2022, o MTP (Ministério do Trabalho e Previdência) reconheceu  22 novas atividades na CBO (Classificação...

Ler mais
Pessoa contando um bolo de dinheiro
Noticias

Pis/Pasep 2022: será que você tem direito a receber o abono?

Os servidores públicos ou da iniciativa privada, com renda de até 2 salários mínimos mensais, têm o

Ler mais
Noticias

Gestante demitida no contrato de experiência não obtém reintegração

Gestante demitida no contrato de experiência não obtém reintegração

Ler mais

Direto ao Ponto

por Dr. Marcelo Mascaro

Advogado com experiência e conhecimento, atuando na área há mais de 25 anos, Marcelo Costa Mascaro Nascimento mantém viva a tradição e a referência do nome Mascaro Nascimento.

homem falando no radio ao trabalhar de vigia
Mascaro na Exame - 11/05/22

Vigia que trabalha desarmado tem direito ao adicional de periculosidade?

Ler mais
fachada da caixa economica federal onde as pessoas recebem o pis
Mascaro na Exame - 29/04/22

O que é PIS/PASEP e como recebê-lo?

Ler mais
empregado se sente reprimido pelo padrao estetico da empresa
Mascaro na Exame - 20/04/22

A empresa pode exigir certo padrão estético do empregado?

Ler mais
o que sao danos morais coletivos
Mascaro na Exame - 07/02/22

O que são danos morais coletivos? Advogado explica

Ler mais