Noticias - 15/07/2021

Como ficam os acordos individuais após questionamento do STF?

Como ficam os acordos individuais após questionamento do STF?

Por Marcelo Mascaro Nascimento, sócio do escritório Mascaro Nascimento Advocacia Trabalhista e diretor do Núcleo Mascaro
 
Como abordamos em
coluna anterior, a Medida Provisória nº 936 de 1º de abril de 2020 instituiu a possibilidade de ser celebrado acordo entre o empregador e o empregado — sem a participação do sindicato —, para suspender o contrato de trabalho ou reduzir proporcionalmente a jornada e o salário. Em ambas as hipóteses, o empregado receberá uma compensação financeira pelo Estado.
 
Para relembrarmos, enquanto a suspensão do contrato pode ocorrer por até 60 dias, a redução da jornada e do salário é permitida por até 90 dias. Essas formas de acordo podem ser realizadas apenas por dois grupos de trabalhadores: os que tenham salário de até R$ 3.135,00 e os que tenham diploma de curso superior e recebam R$ 12.202,12 ou mais.
 
A possibilidade de acordo para reduzir a jornada e o salário, porém, foi objeto de questionamento no STF, mediante ação direta de inconstitucionalidade, tão logo houve a edição da Medida Provisória. Foi defendido, pelo autor da ação, que acordos que reduzissem o salário do trabalhador, somente teriam validade se feitos com a participação do sindicato profissional.
 
Em um primeiro momento, o ministro Ricardo Lewandowski acolheu, em parte, o argumento e deferiu medida liminar determinando que, após a celebração do acordo individual, o sindicato deveria ser comunicado para, se tivesse interesse, iniciar a negociação coletiva. Assim, o acordo teria plena validade apenas após a efetiva negociação coletiva com o sindicato ou se este não se manifestasse a respeito, presumindo, dessa forma, o desinteresse pela negociação.
 
Na última semana, contudo, a decisão do ministro Lewandowski foi apreciada pelos demais ministros do STF, tendo sido cassada. Em razão disso, volta a prevalecer a redação original da MP 936, de modo que a redução da jornada e do salário pode ser estipulada por acordo entre a empresa e o empregado sem necessidade de qualquer participação do sindicato.
 
Duas observações sobre isso merecem ser feitas.
 
A primeira é que a decisão do STF até o momento não é definitiva e tem natureza cautelar. Isso significa que foi tomada como medida de urgência e sem total aprofundamento da matéria. A ação ainda será julgada, de forma definitiva, no futuro e, em tese, é possível que os ministros alterem seu entendimento (embora seja pouco provável que isso ocorra).
 
A segunda, se refere à necessidade de qualquer Medida Provisória ser convertida em lei pelo Congresso. Caso isso não se dê dentro do prazo de 60 dias, prorrogável por mais 60, ou o Congresso rejeite a MP, perderá a validade. É importante ressaltar, que, ainda assim, nesta hipótese, os contratos celebrados durante o período de vigência da MP permaneceriam válidos, exceto se o Congresso expressamente dispuser de forma contrária.
 

Fonte: Exame.com, 23/04/2020


Compartilhe

Dr. Marcelo Mascaro

Advogado do Trabalho, CTO

Blog Mascaro

As tendências, oportunidades e novidades das áreas dos direitos do trabalho e cível, de gestão de pessoas e de cálculos trabalhistas e previdenciários

Pessoas de terno fazendo cumprimento com o cotovelo
Noticias

Empregados podem negar o retorno ao trabalho presencial?

Os funcionários que estavam em

Ler mais
Pessoa segurando uma taça de vinho, representando a profissão de sommelier
Legislação

Novas profissões: MTP reconhece 22 atividades na Classificação Brasileira de Ocupações

No início de 2022, o MTP (Ministério do Trabalho e Previdência) reconheceu  22 novas atividades na CBO (Classificação...

Ler mais
Pessoa contando um bolo de dinheiro
Noticias

Pis/Pasep 2022: será que você tem direito a receber o abono?

Os servidores públicos ou da iniciativa privada, com renda de até 2 salários mínimos mensais, têm o

Ler mais
Noticias

Gestante demitida no contrato de experiência não obtém reintegração

Gestante demitida no contrato de experiência não obtém reintegração

Ler mais

Direto ao Ponto

por Dr. Marcelo Mascaro

Advogado com experiência e conhecimento, atuando na área há mais de 25 anos, Marcelo Costa Mascaro Nascimento mantém viva a tradição e a referência do nome Mascaro Nascimento.

homem falando no radio ao trabalhar de vigia
Mascaro na Exame - 11/05/22

Vigia que trabalha desarmado tem direito ao adicional de periculosidade?

Ler mais
fachada da caixa economica federal onde as pessoas recebem o pis
Mascaro na Exame - 29/04/22

O que é PIS/PASEP e como recebê-lo?

Ler mais
empregado se sente reprimido pelo padrao estetico da empresa
Mascaro na Exame - 20/04/22

A empresa pode exigir certo padrão estético do empregado?

Ler mais
o que sao danos morais coletivos
Mascaro na Exame - 07/02/22

O que são danos morais coletivos? Advogado explica

Ler mais