Noticias - 15/07/2021

Compliance e suas verdades à luz do decreto municipal de SP 55.107/14 – artigo de Emerson Siécola e Marcelo Mascaro Nascimento no Migalhas

Compliance e suas verdades à luz do decreto municipal de SP 55.107/14 – artigo de Emerson Siécola e Marcelo Mascaro Nascimento no Migalhas

Investir em um programa de integridade ou de compliance preserva o ativo maior de uma organização: a sua reputação.
 
Desde a promulgação da lei 12.846/13 (“lei anticorrupção empresarial”), vigente desde 29/01/14, muito se leu sobre os impactos desse novo normativo legal sobre a atividade empresarial, desde as questões polêmicas que envolvem a aplicabilidade da lei pelo Poder Público, até aquelas que versam sobre os chamados programas de integridade ou de compliance que, na letra da lei, poderão atenuar as sanções impostas à pessoa jurídica, atendidos também outros requisitos.
 
No ambiente atual de negócios, os programas de integridade ou de compliance funcionam como pilares das melhores práticas de governança corporativa e suas atividades estão diretamente ligadas à adequação, fortalecimento e funcionamento do sistema de controles internos da organização. E não nos esqueçamos: um programa de integridade ou de compliance é composto por políticas, procedimentos e orientação contínua.
 
Quando pensamos em compliance, devemos refletir sobre algo muito mais amplo do que conformidade legal ou normativa, diretrizes de conduta ética ou mesmo canal de denúncias (este último, muito comentado e disseminado, mas que deve atender a uma série de exigências e cuidados para seu correto funcionamento e cumprimento de sua finalidade). Devemos pensar também em como gerenciamos os riscos (todos), quais são os controles internos, quais os planos de contingência (isso mesmo, no plural!), como está a relação com terceiros e fornecedores, como identificar perdas que possam comprometer a continuidade da organização… e ainda, os colaboradores são conscientizados e treinados com as informações e carga horária necessárias?
 
Nesse sentido, o decreto 55.107, que regulamenta a lei 12.846/13 no município de São Paulo, publicado em 14/05/14 e já vigente, veio, dentre uma série de pontos importantes que devem ser estudados em outros artigos, reforçar a importância dos programas de compliance nas organizações, conforme verifica-se da análise do art. 21 (da aplicação das sanções) e do art. 24 (do programa de conformidade).
 
Importante ressaltar o teor do parágrafo único do citado art. 24, a saber:
 
Art. 24, Parágrafo único. Até a publicação, pelo Poder Executivo Federal, do regulamento a que se refere o “caput” deste artigo, considerar-se-á, única e exclusivamente, no âmbito da pessoa jurídica, a existência de mecanismos e procedimentos consistentes de integridade e monitoramento, a efetividade dos sistemas de controle interno, a utilização de códigos de ética e conduta para funcionários e colaboradores, a existência de sistemas de recebimento e apuração de denúncias que assegurem o anonimato, a adoção de medidas de transparência na relação com o setor público e a realização periódica de treinamentos com o intuito de promover a política interna de integridade (grifo nosso).
 
Podemos extrair que o que se recomenda (e se pede) às organizações estabelecidas no município de São Paulo, até que o decreto Federal regulamente a lei 12.846/13 como um todo, é a adoção de um programa de integridade ou compliance adequado e equilibrado, de acordo com as necessidades da organização e independentemente do seu tamanho, ou seja, passou a ser quase uma obrigação para a sobrevivência e perenidade dos negócios. E mais: compliance é um caminho sem volta.
 
Investir em um programa de integridade ou de compliance preserva o ativo maior de uma organização: a sua reputação, pré-requisito para o sucesso dos negócios. Começar pelo treinamento de colaboradores e terceiros é um ótimo ponto de partida e traz resultados imediatos. Pense nisso.
 
Emerson Siécola e Marcelo Mascaro são advogados do escritório Mascaro Nascimento Advocacia Trabalhista. 
 
Fonte: http://www.migalhas.com.br/dePeso/16,MI203402,91041-Compliance+e+suas+verdades+a+luz+do+decreto+municipal+de+SP+55107+14

Compartilhe

Dr. Marcelo Mascaro

Advogado do Trabalho, CTO

Blog Mascaro

As tendências, oportunidades e novidades das áreas dos direitos do trabalho e cível, de gestão de pessoas e de cálculos trabalhistas e previdenciários

Noticias

Trabalhador trans tem direito a usar qual banheiro na empresa?

Advogado trabalhista explica o que a lei atual defende sobre a disponibilidade de sanitários de ac...

Ler mais
Noticias

Como combater o assédio moral no ambiente de trabalho?

Em artigo, o advogado trabalhista Marcelo Mascaro explica como atender a lei e manter um ambiente de trabalho seguro e sau...

Ler mais
Noticias

Igualdade salarial entre homens e mulheres: a empresa precisa comprovar? Como?

Advogado trabalhista explica como as companhias devem se posicionar para cumprir a lei e as possíveis penalidades, caso a ...

Ler mais
Noticias

A empresa pode fazer perguntas sobre signo e mapa astral em entrevista de emprego?

O advogado trabalhista Marcelo Mascaro explica se uma empresa pode ou não checar o signo durante o processo se...

Ler mais

Direto ao Ponto

por Dr. Marcelo Mascaro

Advogado com experiência e conhecimento, atuando na área há mais de 25 anos, Marcelo Costa Mascaro Nascimento mantém viva a tradição e a referência do nome Mascaro Nascimento.

- 21/09/23

O Trabalhador por aplicativo tem direitos?

Direto ao ponto - Marcelo Mascaro

Ler mais
- 16/08/23

Acordo coletivo prevalece sobre convenção coletiva?

Marcelo Mascaro Convenções e acordo coletivos têm como finalidade com...

Ler mais
- 25/05/23

A equiparação salarial entre empregados de diferentes empresas de grupo econômico

A equiparação salarial é uma decorrência lógica dos princípios da igualdade e da não discriminação. Ela está prevista no a...

Ler mais
Banheiro de local de trabalho
Mascaro na Exame - 29/07/22

A empresa pode restringir a ida ao banheiro de seus empregados?

Ler mais