Noticias - 15/07/2021

Entenda o que significa a revogação da MP do contrato Verde e Amarelo

Entenda o que significa a revogação da MP do contrato Verde e Amarelo

Por Marcelo Mascaro Nascimento, sócio do escritório Mascaro Nascimento Advocacia Trabalhista e diretor do Núcleo Mascaro
 
A principal característica de toda Medida Provisória é sua transitoriedade. Como regra, as leis federais são discutidas e aprovadas pelo Congresso Nacional e cabe ao presidente da República apenas o seu veto ou sanção. Em casos de urgência e relevância, porém, o chefe do Poder Executivo pode editar Medida Provisória, com força de lei.
 
Tal medida, porém, precisa ser examinada pelo Congresso, no prazo de 60 dias, prorrogáveis por mais 60, e, em caso de ser rejeitada (ou não apreciada), nesse prazo, perde a sua eficácia.
 
Se, contudo, a MP deixar de ser aplicada, os atos praticados durante o período de sua vigência continuam sendo válidos, exceto se o Congresso decidir de forma contrária.
 
No caso da MP do Contrato Verde e Amarelo, ela perdeu a vigência não em razão de rejeição do Congresso ou decorrência do prazo, mas em virtude de sua revogação pelo próprio presidente da República. O que constitui um caso pouco comum e nem mesmo previsto pela Constituição da República.
 
Ainda assim, todo contrato celebrado durante sua vigência continua válido.
 
Cabe lembrarmos que o Contrato de Trabalho Verde e Amarelo foi destinado aos trabalhadores de 18 a 29 anos de idade, que nunca trabalharam com registro formal de emprego. As empresas que o adotaram só podiam aplicá-lo às novas contratações e a um percentual limitado a 20% de seus empregados.
 
Além disso, sua duração não poderia ser superior a 24 meses e somente era possível nos casos em que a remuneração não ultrapassasse 1,5 salário mínimo.
 
Sob o ponto de vista dos direitos trabalhistas, os depósitos referentes ao FGTS eram de 2% (e não 8%) e a indenização por dispensa sem justa causa era de 20% sobre o FGTS (e não 40%).
 
A revogação da MP cria grande insegurança jurídica quanto aos contratos vigentes.
 
Em que pese os contratos celebrados anteriormente continuarem válidos, surgem dúvidas sobre o percentual de recolhimento do FGTS e da indenização, na hipótese de dispensa sem justa causa. Ou seja, se a partir da revogação da MP os depósitos passam a ser de 8% e a indenização de 40%.
 
Além disso, a MP previa isenção do pagamento de contribuição previdenciária, salário-educação e contribuições sociais pelas empresas, situação que não deve persistir após a revogação.
 
Ainda cabem alguns comentários sobre a possibilidade de nova MP, com o mesmo conteúdo, ser editada.
 
Conforme já afirmado, toda MP tem como característica a transitoriedade e trata-se de uma medida excepcional, em que a criação de lei, em sentido amplo, é autorizada ao presidente da República, mediante a posterior confirmação pelo Congresso.
 
O ato de revogar uma MP, para depois reeditá-la, burla sua razão de ser e afasta seu controle pelo Congresso.
 
Ademais, a Constituição Federal assegura que a MP que perde sua eficácia por rejeição do Congresso ou decurso do prazo não pode ser reeditada na mesma sessão legislativa, ou seja, no mesmo ano.
 
Apesar de a Constituição Federal não se referir especificamente a hipóteses de revogação, a situação é análoga, devendo ser aplicado o mesmo raciocínio.
 

Fonte: Exame.com, 30/04/2020


Compartilhe

Dr. Marcelo Mascaro

Advogado do Trabalho, CTO

Blog Mascaro

As tendências, oportunidades e novidades das áreas dos direitos do trabalho e cível, de gestão de pessoas e de cálculos trabalhistas e previdenciários

Pessoas de terno fazendo cumprimento com o cotovelo
Noticias

Empregados podem negar o retorno ao trabalho presencial?

Os funcionários que estavam em

Ler mais
Pessoa segurando uma taça de vinho, representando a profissão de sommelier
Legislação

Novas profissões: MTP reconhece 22 atividades na Classificação Brasileira de Ocupações

No início de 2022, o MTP (Ministério do Trabalho e Previdência) reconheceu  22 novas atividades na CBO (Classificação...

Ler mais
Pessoa contando um bolo de dinheiro
Noticias

Pis/Pasep 2022: será que você tem direito a receber o abono?

Os servidores públicos ou da iniciativa privada, com renda de até 2 salários mínimos mensais, têm o

Ler mais
Noticias

Gestante demitida no contrato de experiência não obtém reintegração

Gestante demitida no contrato de experiência não obtém reintegração

Ler mais

Direto ao Ponto

por Dr. Marcelo Mascaro

Advogado com experiência e conhecimento, atuando na área há mais de 25 anos, Marcelo Costa Mascaro Nascimento mantém viva a tradição e a referência do nome Mascaro Nascimento.

homem falando no radio ao trabalhar de vigia
Mascaro na Exame - 11/05/22

Vigia que trabalha desarmado tem direito ao adicional de periculosidade?

Ler mais
fachada da caixa economica federal onde as pessoas recebem o pis
Mascaro na Exame - 29/04/22

O que é PIS/PASEP e como recebê-lo?

Ler mais
empregado se sente reprimido pelo padrao estetico da empresa
Mascaro na Exame - 20/04/22

A empresa pode exigir certo padrão estético do empregado?

Ler mais
o que sao danos morais coletivos
Mascaro na Exame - 07/02/22

O que são danos morais coletivos? Advogado explica

Ler mais