Noticias - 15/07/2021

Limites para a cobrança das contribuições sindicais: artigo de Marcelo Mascaro Nascimento na ABRH Nacional

Limites para a cobrança das contribuições sindicais: artigo de Marcelo Mascaro Nascimento na ABRH Nacional

Por Marcelo C. Mascaro Nascimento

Diversos são os problemas ainda decorrentes das estruturas arcaicas que, desde a época getulista, organizam o modelo sindical brasileiro. Com raras e honrosas exceções, o corporativismo comprometeu e limitou as potencialidades do direito coletivo do trabalho e a liberdade de ação dos sindicatos na defesa dos interesses da categoria que representam.
Essa rigidez do nosso modelo sindical se faz sentir, ainda hoje, em diversos aspectos. Um deles é a organização por categorias econômicas e profissionais, com o enquadramento sindical automático dos empregados que integram determinada categoria. Outro é o chamado princípio da unicidade sindical, que consiste na proibição da existência de mais de um sindicato de uma mesma categoria na mesma base territorial, que ainda está vigente e consagrado na Constituição Federal de 1988. Mas não é só. Ainda vigora a contribuição sindical obrigatória, antigo imposto sindical, que é devida por todos os profissionais, independentemente de sua vontade.
Com efeito, nossa legislação prevê diferentes formas de custeio para o modelo sindical brasileiro. Uma breve tipologia das contribuições sindicais aponta que são quatro as receitas sindicais. A mais conhecida é a já referida “contribuição sindical compulsória”. Há também a “contribuição confederativa”, prevista na Carta Magna (art. 8º, IV), cujo valor é fixado em Assembleia Geral da categoria, destinada ao custeio do sistema confederativo. Por sua vez, a “contribuição assistencial” é prevista em normas coletivas com o fim de custear atividades assistenciais que o Sindicato presta, na forma de serviços, aos trabalhadores. Por fim, a última é a chamada “mensalidade”, cobrada mediante adesão do s interessados em determinados benefícios oferecidos pela entidade sindical.
Esse quadro complexo de diversas contribuições sindicais, com fontes normativas diferenciadas, valores distintos e grau de obrigatoriedade também variável gerou diversos abusos por parte dos sindicatos, que impuseram contribuições de valores abusivos e injustificados aos integrantes de determinada categoria, sejam as empresas ou os trabalhadores.
Atualmente, segundo previsão da Súmula n. 666 do TST e do Precedente Normativo n. 119 do TST, há uma só contribuição sindical obrigatória, qual seja, o antigo imposto sindical. Todas as demais comportam direito de oposição do interessado e só podem ser cobradas daqueles que concordarem.
Nem sempre esses limites têm sido respeitados. Muitos sindicatos mandam cobranças sem a publicação de editais, não realizam o prévio lançamento tributário, ameaçam os profissionais com a negativação em serviços de proteção ao crédito, enviam boletos sem explicação da fórmula do valor obtido, cobram profissionais que trabalham fora da base territorial em que o sindicato atua etc.
Todas essas condutas são inaceitáveis e prejudicam a relação entre empresa, empregados e sindicatos. Os limites das cobranças sindicais precisam ser respeitados para que o sindicalismo possa se tornar mais legítimo e representativo dos interesses das categorias que defendem.
Por isso é importante que a Lei n. 11.648 de 2008 tenha estabelecido que o regime atual das contribuições sindicais ainda vigora “até que a lei venha a disciplinar a contribuição negocial, vinculada ao exercício efetivo da negociação coletiva e à aprovação em assembleia geral da categoria” (art. 7º).
Obviamente, a eficácia dessa norma é bastante limitada, pois está condicionada a um evento futuro e um tanto incerto de uma nova mudança legislativa que, sabemos, pode demorar muito a ocorrer. No entanto, é uma sinalização importante do caminho que devemos seguir na reforma da legislação do direito coletivo do trabalho para que sejam plenamente garantidas as liberdades individuais e coletivas em matéria sindical.
 
Marcelo C. Mascaro Nascimento é advogado e diretor da Mascaro Nascimento Advocacia Trabalhista.

Fonte: http://www.abrhnacional.org.br/component/content/article/1164-limites-para-a-cobranca-das-contribuicoes-sindicais.html


 

Compartilhe

Dr. Marcelo Mascaro

Advogado do Trabalho, CTO

Blog Mascaro

As tendências, oportunidades e novidades das áreas dos direitos do trabalho e cível, de gestão de pessoas e de cálculos trabalhistas e previdenciários

Pessoas de terno fazendo cumprimento com o cotovelo
Noticias

Empregados podem negar o retorno ao trabalho presencial?

Os funcionários que estavam em

Ler mais
Pessoa segurando uma taça de vinho, representando a profissão de sommelier
Legislação

Novas profissões: MTP reconhece 22 atividades na Classificação Brasileira de Ocupações

No início de 2022, o MTP (Ministério do Trabalho e Previdência) reconheceu  22 novas atividades na CBO (Classificação...

Ler mais
Pessoa contando um bolo de dinheiro
Noticias

Pis/Pasep 2022: será que você tem direito a receber o abono?

Os servidores públicos ou da iniciativa privada, com renda de até 2 salários mínimos mensais, têm o

Ler mais
Noticias

Gestante demitida no contrato de experiência não obtém reintegração

Gestante demitida no contrato de experiência não obtém reintegração

Ler mais

Direto ao Ponto

por Dr. Marcelo Mascaro

Advogado com experiência e conhecimento, atuando na área há mais de 25 anos, Marcelo Costa Mascaro Nascimento mantém viva a tradição e a referência do nome Mascaro Nascimento.

homem falando no radio ao trabalhar de vigia
Mascaro na Exame - 11/05/22

Vigia que trabalha desarmado tem direito ao adicional de periculosidade?

Ler mais
fachada da caixa economica federal onde as pessoas recebem o pis
Mascaro na Exame - 29/04/22

O que é PIS/PASEP e como recebê-lo?

Ler mais
empregado se sente reprimido pelo padrao estetico da empresa
Mascaro na Exame - 20/04/22

A empresa pode exigir certo padrão estético do empregado?

Ler mais
o que sao danos morais coletivos
Mascaro na Exame - 07/02/22

O que são danos morais coletivos? Advogado explica

Ler mais