Noticias - 15/07/2021

Marinho, que atuou no Corinthians entre 2005 a 2007, vai receber diferenças de direito de arena.

Marinho, que atuou no Corinthians entre 2005 a 2007, vai receber diferenças de direito de arena.

Em mais uma decisão recente, o Tribunal Superior do Trabalho apreciou pedido de diferença relativas a direito de arena formulado por um ex-jogador do Sport Club Corinthians Paulista. O direito de arena decorre da cessão da transmissão televisiva dos jogos, cujo montante é partilhado entre os atletas que participaram do jogo.
 
Neste caso, o clube foi condenado ao pagamento de diferenças relativas ao direito de arena ao ex-atleta Mário Custódio Nazaré (Marinho), zagueiro que atuou no clube entre 2005 a 2007. O recurso do clube não foi conhecido pela Sétima Turma do Tribunal Superior do Trabalho. 
 
O jogador foi contratado por prazo determinado e participou de vários campeonatos oficiais pelo clube, entre eles o Campeonato Brasileiro, a Copa Libertadores da América e a Copa Sul-Americana. Na reclamação, pediu as diferenças do direito de arena, que havia sido reduzido de 20% para 5%, segundo ele de forma ilegal.
 
Condenado em primeira instância, o Corinthians recorreu ao Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (SP), alegando que a redução do percentual havia sido autorizada por decisão judicial, mediante acordo firmado com o sindicato da categoria que representa o jogador. A sentença, porém, foi mantida.
 
O clube interpôs, então, o recurso ao TST, sustentando a validade da transação, com o argumento de que, apesar da redução do percentual, a base de cálculo do direito de arena foi ampliada, pois os 5% passaram a incidir sobre o valor total de todos os contratos celebrados: televisionamento, placas de publicidade e outros, trazendo benefícios ao atleta.
 
O ministro Vieira de Mello Filho, relator do recurso na Sétima Turma, esclareceu que, atualmente, a Lei 12.395/2011, que alterou a Lei Pelé (Lei 9615/2011), estabelece o percentual de 5% da receita proveniente da exploração de direitos desportivos audiovisuais como o direito de arena devido aos atletas. Mas, à época dos fatos, entre 2005 e 2007, vigorava a redação anterior da Lei Pelé, que estipulava o percentual de 20%.
 
Segundo o relator, embora se deva mesmo prestigiar os acordos celebrados entre empregados e empregadores, há certos requisitos que devem ser observados, “como a criação de normas que tragam benefícios,  aos trabalhadores ou que versem normas de indisponibilidade relativa”, o que não ocorreu no caso. Isto por que o Corinthians não demonstrou que a redução do direito de arena foi compensada pela inclusão de outras verbas em sua base de cálculo. Além disso, o TRT não fez sequer alusão à possibilidade da medida ter favorecido os atletas, afirmou.
 
Com o não conhecimento do recurso, ficou mantida a decisão condenatória do Tribunal Regional.
 
(Mário Correia/CF)
 
Processos: RR-279100-87.2009.5.02.0013
 
Notícia publicada pelo Tribunal Superior do Trabalho em 05/12/2013.

Compartilhe

Dr. Marcelo Mascaro

Advogado do Trabalho, CTO

Blog Mascaro

As tendências, oportunidades e novidades das áreas dos direitos do trabalho e cível, de gestão de pessoas e de cálculos trabalhistas e previdenciários

Noticias

Gestante demitida no contrato de experiência não obtém reintegração

Gestante demitida no contrato de experiência não obtém reintegração

Ler mais
Noticias

A transcendência do princípio do devido processo legal

A transcendência do princípio do devido processo legal ...

Ler mais
Noticias

Folga em outro dia desobriga empresa de pagar domingo em dobro

Folga em outro dia desobriga empresa de pagar domingo em dobro

Ler mais
Noticias

Variglog e Volo do Brasil não respondem por dívidas trabalhistas da Varig

Variglog e Volo do Brasil não respondem por dívidas trabalhistas da Varig

Ler mais

Direto ao Ponto

por Dr. Marcelo Mascaro

Advogado com experiência e conhecimento, atuando na área há mais de 25 anos, Marcelo Costa Mascaro Nascimento mantém viva a tradição e a referência do nome Mascaro Nascimento.

imagem das maos de um homem assinando um documento a caneta para ilustrar conteudo sobre contrato de trabalho
Mascaro na Exame - 23/07/21

Contrato de trabalho: quais benefícios são obrigatórios e quais não são?

Ler mais
Mascaro na Exame - 16/07/21

A empresa pode dispensar o funcionário por WhatsApp?

A empresa pode dispensar o funcionário por WhatsApp?Por Marcelo Mascaro Nascimento, sócio do escritór...

Ler mais
Mascaro na Exame - 09/07/21

A nulidade de uma cláusula do contrato de trabalho anula as demais?

A nulidade de uma cláusula do contrato de trabalho anula as demais?Por Marcelo Mascaro Nascimento, só...

Ler mais