Noticias - 15/07/2021

O que a reforma trabalhista vai fazer com seu bônus de fim de ano?

O que a reforma trabalhista vai fazer com seu bônus de fim de ano?

Atualmente a CLT garante que, além do valor pago diretamente ao trabalhador, seja considerado salário também outras verbas, como prêmios e gratificações. Porém, estes somente irão ser incorporados ao salário quando pagos de forma habitual. Ou seja, não basta o trabalhador receber uma única vez, é preciso haver continuidade no recebimento.
 
Por exemplo, se em determinado ano a empresa paga ao empregado uma gratificação a título de 14º salário, isso não terá natureza salarial. Mas se o pagamento se repetir em outros anos, já passa a incorporar o salário e irá ser contabilizado para o cálculo de diversas outras verbas, tais como o 13º salário (que, como dissemos em outra coluna, é obrigatório) e o INSS.
 
O mesmo ocorre se a empresa instituir um prêmio-produção, pelo qual o trabalhador recebe determinado valor sempre que atingir uma meta de produção. Pela legislação vigente, por causa da habitualidade, essa verba também irá incorporar o salário, com as mesmas implicações para o cálculo das demais verbas.
 
Essa situação pode mudar caso a reforma trabalhista seja aprovada nos moldes que passou na Câmara dos Deputados. Conforme o novo texto proposto “as importâncias, ainda que habituais, pagas a título de ajuda de custo, vale refeição, mesmo pago em dinheiro, diárias para viagem, prêmios e abonos não integram a remuneração do empregado, não se incorporam ao contrato de trabalho e não constituem base de incidência de qualquer encargo trabalhista e previdenciário?
 
Dessa maneira, o prêmio, independentemente de sua habitualidade ou não, não será mais contabilizado para o pagamento de outras verbas como o 13º salário e não incidirá no cálculo do INSS – o que significa uma perda no valor dessas quantias. Por um lado, isso pode significar uma redução do poder aquisitivo do trabalhador, caso uma parte significativa de sua remuneração seja constituída na forma de prêmio. Por outro, pode incentivar a empresa a instituir mais prêmios.
 
Apesar da reforma não se referir especificamente às gratificações, ela abre a possibilidade desta receber a mesma interpretação dada ao prêmio. Enquanto a redação atual da CLT prevê expressamente que a gratificação integra o salário, o novo dispositivo exclui essa previsão.
 
 
 

Compartilhe

Dr. Marcelo Mascaro

Advogado do Trabalho, CTO

Blog Mascaro

As tendências, oportunidades e novidades das áreas dos direitos do trabalho e cível, de gestão de pessoas e de cálculos trabalhistas e previdenciários

Noticias

Quais são as obrigações da empresa durante o período de aviso prévio do trabalhador?

Ler mais
Cálculos Trabalhistas

Quais mudanças são prováveis na área trabalhista para 2024?

Em artigo, o advogado trabalhista Marcelo Mascaro destaca duas atividades que devem ter regulamentação trabalhista em 2024...

Ler mais
Noticias

Como o compliance trabalhista pode ajudar no combate ao assédio moral no trabalho?

Em artigo, o advogado trabalhista Marcelo Mascaro explica quais iniciativas uma empresa deve adotar para educar e proteger...

Ler mais
Noticias

A empresa também pode ser penalizada por justa causa?

Em artigo, o advogado trabalhista Marcelo Mascaro explica em qual situação o funcionário pode ence...

Ler mais

Direto ao Ponto

por Dr. Marcelo Mascaro

Advogado com experiência e conhecimento, atuando na área há mais de 25 anos, Marcelo Costa Mascaro Nascimento mantém viva a tradição e a referência do nome Mascaro Nascimento.

- 21/09/23

O Trabalhador por aplicativo tem direitos?

Direto ao ponto - Marcelo Mascaro

Ler mais
- 16/08/23

Acordo coletivo prevalece sobre convenção coletiva?

Marcelo Mascaro Convenções e acordo coletivos têm como finalidade com...

Ler mais
- 25/05/23

A equiparação salarial entre empregados de diferentes empresas de grupo econômico

A equiparação salarial é uma decorrência lógica dos princípios da igualdade e da não discriminação. Ela está prevista no a...

Ler mais
Banheiro de local de trabalho
Mascaro na Exame - 29/07/22

A empresa pode restringir a ida ao banheiro de seus empregados?

Ler mais