Noticias - 15/07/2021

O que levar em conta ao programar as férias dos seus colaboradores

O que levar em conta ao programar as férias dos seus colaboradores

Todo trabalhador em regime de CLT tem direito a 30 dias de férias, garantidas pela lei nº 1.535/77. A concessão é negada em apenas algumas situações, como demissão por justa causa, licença remunerada maior de 30 dias e o recebimento de auxílio-doença por mais de seis meses (mesmo que não contínuo). Parece simples, mas o assunto tende a gerar dúvidas, especialmente após a Reforma Trabalhista.

Para esclarecê-las, conversamos com Marcelo Mascaro Nascimento, sócio do escritório Mascaro Nascimento Advocacia Trabalhista, e Luís Carlos Grossi, diretor da Odontocon Solução Contábil e Tributária para Dentistas. Anote.

 
ABONO PECUNIÁRIO

O empregado tem o direito de converter em dinheiro ⅓ do período de férias — o que popularmente é conhecido por “vender as férias”. Nesse caso, além de trabalhar nesse intervalo, ele receberá o valor integral das férias mais a quantia correspondente aos dias trabalhados.
 
REMUNERAÇÃO

Feita com base no salário do empregado, consiste no valor do salário, incluindo os adicionais — quando pagos de forma habitual (trabalho extraordinário, noturno, insalubre ou perigoso) —, acrescido de ⅓. Caso o trabalhador deixe a empresa antes de cumprir os doze meses, ainda assim tem direito ao proporcional de férias do período trabalhado, além de ⅓ correspondente a esse intervalo. As faltas não justificadas podem acarretar a diminuição dos dias de férias a ser usufruídos.
 
COMO PROGRAMAR

Por lei, a data de concessão das férias é prerrogativa do empregador. Mas é claro que você pode e deve entrar em um acordo sobre a data de gozo das férias com seus colaboradores. Uma dica é conversar com eles para concentrá-la nos intervalos de menor movimento do consultório, se possível.

Não esqueça que o empregado adquire o direito a sair em férias um ano após o início do contrato, sendo que esse direito se renova a cada novo ano. Uma vez adquirido o direito, o funcionário terá o prazo de um ano para usufruí-las integralmente. Caso isso não ocorra nesse período, o empregador deverá pagá-las em dobro.
 
FÉRIAS COLETIVAS

A data das férias coletivas também fica a critério do empregador. Elas podem ser concedidas em até dois períodos anuais, desde que nenhum seja inferior a dez dias corridos. No entanto, é preciso comunicá-las ao órgão correspondente ao Ministério do Trabalho e ao sindicato profissional com a antecedência mínima de 15 dias.
 
Em relação à remuneração, as regras são as mesmas das férias individuais. A única ressalva diz respeito ao empregado que ainda não possui 12 meses de contrato no momento das férias. Nesse caso, ele usufruirá de férias proporcionais.
 
E A PANDEMIA?

No caso de suspensão do contrato de trabalho durante a pandemia do coronavírus, o período em que não houve prestação do serviço não será contabilizado para a aquisição do direito às férias. Já no caso de redução da jornada com redução do salário, esse período será contabilizado.

Vale destacar que o valor da remuneração das férias corresponde ao salário da época de sua concessão, e não do período em que foi adquirida. Sendo assim, mesmo que durante o período aquisitivo das férias tenha havido a redução do salário do empregado, se no momento de sua concessão essa redução não estiver mais em vigência, ela não deve interferir no valor das férias.

A MP nº 927, que havia flexibilizado algumas regras sobre a concessão das férias, perdeu sua vigência e não é mais aplicada.
 
O QUE MUDOU COM A REFORMA TRABALHISTA

1 – As férias podem ser fracionadas em três parcelas (antes podiam ser fracionadas em dois períodos, sendo que um deles não podia ser inferior a dez dias corridos). Um dos períodos deve se estender por, no mínimo, 14 dias corridos e os demais por ao menos cinco dias corridos cada um.
 
2 – É proibido iniciar férias dois dias antes de um feriado ou de um dia de repouso semanal remunerado.
 
3 – O funcionário em regime de trabalho em tempo parcial, ou seja, cuja jornada é inferior a 30 horas semanais, passou a ter direito a 30 dias de férias. Antes o período variava conforme o número de horas trabalhadas.
 
4 – O funcionário em regime de trabalho em tempo parcial atualmente também pode converter ⅓ das férias em abono pecuniário.


Fonte: Revista Conexão Unna, nº 29, dezembro de 2020.

Leia também: Perdeu parte ou 100% do salário na pandemia? Veja como ficam 13º e férias

Compartilhe

Dr. Marcelo Mascaro

Advogado do Trabalho, CTO

Blog Mascaro

As tendências, oportunidades e novidades das áreas dos direitos do trabalho e cível, de gestão de pessoas e de cálculos trabalhistas e previdenciários

Pessoas de terno fazendo cumprimento com o cotovelo
Noticias

Empregados podem negar o retorno ao trabalho presencial?

Os funcionários que estavam em

Ler mais
Pessoa segurando uma taça de vinho, representando a profissão de sommelier
Legislação

Novas profissões: MTP reconhece 22 atividades na Classificação Brasileira de Ocupações

No início de 2022, o MTP (Ministério do Trabalho e Previdência) reconheceu  22 novas atividades na CBO (Classificação...

Ler mais
Pessoa contando um bolo de dinheiro
Noticias

Pis/Pasep 2022: será que você tem direito a receber o abono?

Os servidores públicos ou da iniciativa privada, com renda de até 2 salários mínimos mensais, têm o

Ler mais
Noticias

Gestante demitida no contrato de experiência não obtém reintegração

Gestante demitida no contrato de experiência não obtém reintegração

Ler mais

Direto ao Ponto

por Dr. Marcelo Mascaro

Advogado com experiência e conhecimento, atuando na área há mais de 25 anos, Marcelo Costa Mascaro Nascimento mantém viva a tradição e a referência do nome Mascaro Nascimento.

homem falando no radio ao trabalhar de vigia
Mascaro na Exame - 11/05/22

Vigia que trabalha desarmado tem direito ao adicional de periculosidade?

Ler mais
fachada da caixa economica federal onde as pessoas recebem o pis
Mascaro na Exame - 29/04/22

O que é PIS/PASEP e como recebê-lo?

Ler mais
empregado se sente reprimido pelo padrao estetico da empresa
Mascaro na Exame - 20/04/22

A empresa pode exigir certo padrão estético do empregado?

Ler mais
o que sao danos morais coletivos
Mascaro na Exame - 07/02/22

O que são danos morais coletivos? Advogado explica

Ler mais