Noticias - 15/07/2021

O que muda com a nova MP que permite suspensão e redução de salário?

O que muda com a nova MP que permite suspensão e redução de salário?

Por Marcelo Mascaro Nascimento, sócio do escritório Mascaro Nascimento Advocacia Trabalhista e diretor do Núcleo Mascaro
 
A recém publicada Medida Provisória 936, de 1º de abril de 2020, estabelece duas ações de impacto nas relações de trabalho: a redução do salário, com a correspondente redução da jornada e a suspensão do contrato de trabalho.
 
De um lado, o empregador poderá reduzir o salário do empregado proporcionalmente à redução de sua jornada e, de outro, poderá suspender o contrato de trabalho com a suspensão do pagamento do salário. Em ambos os casos, porém, o empregado receberá uma compensação financeira pelo Estado.
 
Suspensão do contrato de trabalho
 
A suspensão do contrato pode ocorrer por até 60 dias, sendo possível fracionada em dois períodos de 30 dias. Para os empregados que tenham salário de até R$ 3.135,00 e para aqueles que tenham diploma de curso superior e recebam R$ 12.202,12 ou mais, a suspensão pode ocorrer por acordo individual entre a empresa e o trabalhador. Para os demais empregados, ela somente é possível com a participação do sindicato.
 
Com a suspensão do contrato, o trabalhador deixa de receber seu salário e terá direito a um benefício pago pelo Estado, no valor correspondente ao seguro-desemprego a que teria direito.
 
Assim, o empregado que tem como remuneração o salário mínimo, receberá o benefício no valor de R$ 1.045,00. Enquanto aqueles que tenham o salário de R$ 3.000,00 ou que tenham diploma de nível superior e salário de R$ 14.000,00, receberão somente 1.813,03, já que esse é o valor máximo do seguro-desemprego atualmente.
 
Além disso, caso a empresa tenha receita bruta superior a R$ 4.800.000,00, somente poderá suspender o contrato de trabalho de seus empregados, mediante o pagamento de ajuda compensatória, mensal, no valor de 30% do valor do salário do empregado. Em compensação o Estado passa a pagar ao trabalhador apenas 70% do que ele teria direito a título de seguro-desemprego.
 
Redução de jornada e salário
 
A redução da jornada de trabalho e do salário, de modo que seja respeitado o valor do salário-hora, pode ser acordada por um período de até 90 dias.
 
Para os empregados que tenham salário de até R$ 3.135,00 e para aqueles que tenham diploma de curso superior e recebam R$ 12.202,12 ou mais, a redução pode ser de 25%, 50% ou 70%, mediante acordo individual.
 
Para os demais, ela pode ser feita em qualquer porcentagem, desde que haja a participação do sindicato ou por acordo individual apenas na porcentagem de 25%.
 
O trabalhador receberá do empregador o valor de seu salário proporcional à redução da jornada, e, do Estado, um benefício, mensal, no valor correspondente ao que receberia a título de seguro-desemprego, multiplicado pela porcentagem da redução.
 
Assim, aquele que recebe um salário mínimo (R$ 1.045,00) e tem redução de 50% receberá R$ 522,50 do empregador, correspondente ao seu salário reduzido e R$ 522,50, correspondente a 50% do seguro desemprego, totalizando R$ 1.045,00.
 
Se o salário é de R$ 4.000, com redução de 25% receberá: R$ 3.000 da empresa, mais R$ 453,25 (25% do seguro desemprego), totalizando 3.453,25.
 
Ainda, no caso de trabalhador com diploma de nível superior, com salário de 14.000,00, havendo redução de 50%, receberá R$ 7.000 de salário e R$ 906,15, correspondente ao valor do seguro-desemprego, totalizando R$ 7.906,15.
 
A possibilidade de redução do salário sem que haja negociação coletiva, porém, é medida de constitucionalidade duvidosa, uma vez que a Constituição Federal prevê que salários somente podem ser reduzidos por convenção ou acordo coletivo e provavelmente será questionada perante o STF.
 
Por fim, a Medida Provisória também assegura uma garantia de emprego aos empregados que forem submetidos à redução do salário ou à suspensão do contrato, pelo mesmo período que sofreram as consequências das ações, a contar da volta à normalidade.
 

Fonte: Exame.com, 02/04/2020


Compartilhe

Dr. Marcelo Mascaro

Advogado do Trabalho, CTO

Blog Mascaro

As tendências, oportunidades e novidades das áreas dos direitos do trabalho e cível, de gestão de pessoas e de cálculos trabalhistas e previdenciários

Pessoas de terno fazendo cumprimento com o cotovelo
Noticias

Empregados podem negar o retorno ao trabalho presencial?

Os funcionários que estavam em

Ler mais
Pessoa segurando uma taça de vinho, representando a profissão de sommelier
Legislação

Novas profissões: MTP reconhece 22 atividades na Classificação Brasileira de Ocupações

No início de 2022, o MTP (Ministério do Trabalho e Previdência) reconheceu  22 novas atividades na CBO (Classificação...

Ler mais
Pessoa contando um bolo de dinheiro
Noticias

Pis/Pasep 2022: será que você tem direito a receber o abono?

Os servidores públicos ou da iniciativa privada, com renda de até 2 salários mínimos mensais, têm o

Ler mais
Noticias

Gestante demitida no contrato de experiência não obtém reintegração

Gestante demitida no contrato de experiência não obtém reintegração

Ler mais

Direto ao Ponto

por Dr. Marcelo Mascaro

Advogado com experiência e conhecimento, atuando na área há mais de 25 anos, Marcelo Costa Mascaro Nascimento mantém viva a tradição e a referência do nome Mascaro Nascimento.

homem falando no radio ao trabalhar de vigia
Mascaro na Exame - 11/05/22

Vigia que trabalha desarmado tem direito ao adicional de periculosidade?

Ler mais
fachada da caixa economica federal onde as pessoas recebem o pis
Mascaro na Exame - 29/04/22

O que é PIS/PASEP e como recebê-lo?

Ler mais
empregado se sente reprimido pelo padrao estetico da empresa
Mascaro na Exame - 20/04/22

A empresa pode exigir certo padrão estético do empregado?

Ler mais
o que sao danos morais coletivos
Mascaro na Exame - 07/02/22

O que são danos morais coletivos? Advogado explica

Ler mais