Noticias - 15/07/2021

Vai ficar difícil acionar a Justiça após a reforma trabalhista?

Vai ficar difícil acionar a Justiça após a reforma trabalhista?

O direito de acesso à Justiça é uma garantia constitucional. Na Justiça do Trabalho esse direito é bastante amplo, uma vez que se admite que as partes ingressem com uma ação ou se defendam dela mesmo sem advogado.
 
A reforma trabalhista, por sua vez, tal como foi aprovada pela Câmara dos Deputados, trará algumas alterações na legislação, que, embora não modifiquem o direito de acesso à Justiça, na prática, podem desencorajar o trabalhador a ajuizar uma ação trabalhista.
 
Todo processo tem um custo e, em razão disso, a parte que é vencida em uma ação judicial deve pagar ao Estado uma taxa denominada “custas”. Na Justiça do Trabalho, as custas são fixadas em 2% sobre o valor da causa do acordo ou da condenação.
 
Se a parte não possui uma boa condição financeira e não tem como arcar com as custas, ela pode requerer os benefícios da Justiça gratuita e ficar isenta do pagamento, mesmo no caso de perda do processo.
 
Basta que declare não possuir condições de arcar com as despesas processuais sem prejuízo de seu próprio sustento. Mesmo que não faça tal declaração, o juiz pode conceder esse benefício independentemente de requerimento, caso entenda ser necessário.
 
De modo geral, a reforma trabalhista mantém a Justiça gratuita e a isenção de custas para seu beneficiário. Porém, caso o autor da ação não compareça à audiência, mesmo que seja beneficiário da Justiça gratuita, ele deverá arcar com as custas processuais e só poderá ajuizar nova ação após seu pagamento. Ele somente ficará isento disso se demonstrar que a ausência ocorreu por motivo legalmente justificável.
 
Assim, considerando que, por vezes, o trabalhador que ingressa com a ação trabalhista encontra-se desempregado e em dificuldade econômica, caso ele falte à audiência e tenha o processo arquivado, terá dificuldades em ajuizar novamente a ação.
 
 

Compartilhe

Dr. Marcelo Mascaro

Advogado do Trabalho, CTO

Blog Mascaro

As tendências, oportunidades e novidades das áreas dos direitos do trabalho e cível, de gestão de pessoas e de cálculos trabalhistas e previdenciários

Noticias

Trabalhador trans tem direito a usar qual banheiro na empresa?

Advogado trabalhista explica o que a lei atual defende sobre a disponibilidade de sanitários de ac...

Ler mais
Noticias

Como combater o assédio moral no ambiente de trabalho?

Em artigo, o advogado trabalhista Marcelo Mascaro explica como atender a lei e manter um ambiente de trabalho seguro e sau...

Ler mais
Noticias

Igualdade salarial entre homens e mulheres: a empresa precisa comprovar? Como?

Advogado trabalhista explica como as companhias devem se posicionar para cumprir a lei e as possíveis penalidades, caso a ...

Ler mais
Noticias

A empresa pode fazer perguntas sobre signo e mapa astral em entrevista de emprego?

O advogado trabalhista Marcelo Mascaro explica se uma empresa pode ou não checar o signo durante o processo se...

Ler mais

Direto ao Ponto

por Dr. Marcelo Mascaro

Advogado com experiência e conhecimento, atuando na área há mais de 25 anos, Marcelo Costa Mascaro Nascimento mantém viva a tradição e a referência do nome Mascaro Nascimento.

- 21/09/23

O Trabalhador por aplicativo tem direitos?

Direto ao ponto - Marcelo Mascaro

Ler mais
- 16/08/23

Acordo coletivo prevalece sobre convenção coletiva?

Marcelo Mascaro Convenções e acordo coletivos têm como finalidade com...

Ler mais
- 25/05/23

A equiparação salarial entre empregados de diferentes empresas de grupo econômico

A equiparação salarial é uma decorrência lógica dos princípios da igualdade e da não discriminação. Ela está prevista no a...

Ler mais
Banheiro de local de trabalho
Mascaro na Exame - 29/07/22

A empresa pode restringir a ida ao banheiro de seus empregados?

Ler mais