Débora Arakaki fala sobre as “Expectativas do Jovem Aprendiz”.

Gestão de pessoas
Expectativas do Jovem Aprendiz

Débora Bobra Arakaki Masson
 No Brasil cerca de um milhão de jovens atuam como aprendizes, muitos deles veem o Programa de Aprendizagem como a primeira oportunidade de inserção no mundo do trabalho e as empresas com foco na responsabilidade social, têm entendido que os programas são importantes para que estes obtenham conhecimentos específicos para se desenvolver nas mais diversas áreas e ainda cumprem a Legislação da Aprendizagem. É o tal do ganha-ganha!

No âmbito da Lei da Aprendizagem, aprendiz é o jovem que estuda e trabalha, recebendo, concomitantemente, formação na profissão para a qual está se capacitando. Como requisitos da lei, deve cursar a escola e estar matriculado e frequentando instituição de ensino técnico-profissional conveniada com a empresa.

O grande benefício para empresa na contratação do aprendiz é o aproveitamento, futuro, nos quadros da empresa, já conhecendo a missão, os valores, e permanece imerso no clima organizacional; sob outro prisma, para o jovem aprendiz, o Programa de Aprendizagem desenvolve o senso de responsabilidade, aumentando a capacidade interpessoal e dando subsídios para uma vida profissional mais estável.

Entrevistado jovem aprendiz que começou seu Programa de Aprendizagem com dezessete anos e já ficou inserido em diversas culturas, esclarece que: “o principal ganho do Programa de Aprendizagem é desenvolver a inteligência de como lidar com as pessoas, quer com o público externo, quer com o público interno”.
Para quem não sabe, o contrato de aprendizagem é um contrato de trabalho especial, com duração máxima de dois anos, anotação na CTPS, salário mínimo/hora e todos os direitos trabalhistas e previdenciários garantidos.  Ademais, tem direito a 13º salário, além dos benefícios fornecidos aos demais empregados. As férias devem ser conciliadas com as do período escolar e em nenhuma hipótese será permitido o fracionamento.
A Lei de Aprendizagem também não se confunde com a lei de estágio, tendo regimes diversos, já que a aprendizagem é caracterizada, como já citado, por contrato de trabalho especial.

Sob o olhar do jovem aprendiz, o programa de aprendizagem faz com que haja: “um desenvolvimento diário em todos os sentidos, descobrindo novas atividades que sem dúvida nenhuma serão de grande valia para o meu futuro profissional”.

Dessa forma, o empresário que adere ao Programa de Aprendizagem, além de cumprir sua função social, está formando um profissional mais capacitado e experiente para as exigências do mercado de trabalho.

A aprendizagem, sem dúvida nenhuma, é um instituto que cria oportunidades tanto para o jovem aprendiz que aumenta a sociabilidade, quanto para as empresas que preparam o jovem para desempenhar atividades profissionais. 

Compartilhe